13. Será que o amor não se desgasta com o tempo?

Foto di Luisella Planeta Leoni – Pixabay

O Amor é mais forte do que a morte;
O fogo ardente do amor é uma chama divina!
Toda a água dos oceanos não seria suficiente
para apagar o fogo do amor.”

(Ct 8,6)

Leggi questa nostra richiesta di aiuto...
SOSTIENI GLI AMICI DI LAZZARO E QUESTO SITO.
Abbiamo davvero bisogno di te!
IBAN (BancoPosta intestato ad Amici di Lazzaro)
IT98P 07601 01000 0000 27608 157
PAYPAL Clicca qui (PayPal)
SATISPAY Clicca qui (Satispay)

Muitos jovens se questionam: “Por que ficar juntos quando o amor acabou?” É uma boa pergunta. Mas não será antes possível procurar a maneira de evitar que as dificuldades da vida apaguem a chama do nosso amor?

  • É verdade que assumir logo de início as atitudes de casal – relações sexuais, vida em comum, etc – tem como efeito impedir muitas vezes o aprofundamento do amor, interromper a sua construção, viciar a sua verificação.
    Quem é o outro, aquele ou aquela que eu amo? Quem sou eu mesmo hoje, que dom profundo estou apto a dar? Descobrir-se, conhecer-se antes de decidir uma aliança e de se unir.
    O amor, não é só o fogo do sentimento, não é só o flash de uma paixão. O amor é um fogo que deve resistir aos caprichos dos ventos e aos tornados dos temporais.

Este amor é possível: podemos decidi-lo e realizá-lo. Como?
O amor não se reduz à impressão que tenho de amar ou de já não amar. É esta decisão recíproca que faz o elo do amor.

  • Mas será que o amor não se desgasta também?
    Pode desgastar-se e pode não se desgastar. Isso depende muito de como nos amamos e continuamos a amar. Não há fatalidade: Um filho de um divorciado não está condenado a divorciar-se. Ele é como todo homem, uma pessoa única, capaz de amar e de ser amado. Pode construir uma relação, aprofundar um amor, perdoar e ser perdoado.
  • Como pode o amor não se desgastar?
    – Fazendo-o crescer.Amar não é só ter relações físicas ou sorrir quando se acha o outro amável. Fazer crescer o amor é amar: querer o bem do outro, ver tudo o que ele faz de bem e não somar tudo o que ele faz de mal. É procurar dar prazer ao outro. Dar gratuitamente…

– Para fazer crescer o amor, é preciso enxertar o amor no amor…
“Não faço o bem que quero, mas faço o mal que não quero” (Rm 7,19). É o pecado. O casamento e o Amor, quando da Criação por Deus do homem e da mulher, não se dissociavam. Depois do pecado original já não podemos dizer que se trata da mesma coisa. Se quisermos ouvir as explicações que Deus nos propõe, compreendemos que é o pecado original que impede esta associação casamento/amor (ver Q 31). É a nossa tendência para fazer o mal, para o pecado. E isto desgasta o amor. Discussões, raivas, faltas de atenção ao outro, egoísmos… Mas Deus não nos condena a ficarmos fechados no fracasso do pecado original. Ele propõe-nos, respeitando sempre a nossa liberdade, voltarmos a apoiar-nos no amor, reconhecermos as nossas faltas e aceitarmos ser recriados de novo. Receber de novo esta chama de Deus que é Amor.

SOSTIENI QUESTO SITO. DONA ORA con PayPal, Bancomat o Carta di credito

   

O sacramento do matrimônio dá esta capacidade de renovar o amor bebendo da fonte que é o Amor (ver Q 15).

SOSTIENI INIZIATIVE MISSIONARIE!
Con il tuo 5 per 1000 è semplice ed utilissimo.
Sul tuo 730, modello Unico, scrivi 97610280014

17. Por que a família?

Declaração do Consenso de Genebra