in

Maria – Vida narrada do Evangelho

Maria nasceu à Nazaré da pais muito religiosos chamados Joaquim e Ana. Joaquim da estirpe de David (Lc 1, 32) e Ana da estirpe de Aarão (Lc 1,5; 1,36) mesmos sendo pequenos proprietários, eram de condições econômicas modestas, todavia erão ricos de santidade e de virtudes.

Maria quando era criança foi oferecida ao templo para a sua educação e o culto. Morou em edificios perto do templo, onde viviam outras mulheres que cuidavam da ornamentação (Es 38,8) e das orações
Lc 2,36

L'articolo continua dopo questa richiesta di aiuto...
SOSTIENI GLI AMICI DI LAZZARO E QUESTO SITO.
Abbiamo davvero bisogno di te!
IBAN (BancoPosta intestato ad Amici di Lazzaro)
IT98P 07601 01000 0000 27608 157
PAYPAL Clicca qui (PayPal)
SATISPAY Clicca qui (Satispay)

Aos 14 anos a deram em casamento a José, que era carpinteiro e morava em Nazaré, todavia Maria continuou a viver na casa da sua famiglia ainda por um ano, que era o tempo estabelecido dos Judeus, tempo entre o casamento e a entrada na casa do marido. E é alí que Ela recebeu o anúncio do Anjo.

SOSTIENI QUESTO SITO. DONA ORA con PayPal, Bancomat o Carta di credito

   

O anjo a cumprimenta “Cheia de Graça” (Lc 1,26) e comunica que Ela serà a Mãe do Messia, do Filho de Deus.
Maria preocupada pergunta como seria possível à realização do que lhe foi comunicado e tendo tido a segurança da parte do Anjo que a sua maternidade seria obra do Espírito Santo, diz: “Eis a serva do Senhor, se faça de mim segundo a tua palavra”
(Lc 1,38)

Maria aceita com resignação devido ao profondo conhecimento das Sagradas Escrituras e das iluminações particulares da graça, dos sofrimentos que deverà enfrentar o Messia (Is 53) o Salvador.

Maria vai visitar a sua prima Elisabete que se encontrava nos seus últimos 3 meses de gravidez e fica com ela até o nascimento do João Batista. Elisabete morava a Ain Karim na Judéia que fica a 150 km da Nazaré, na Galiléia. Quando Ela chega cumprimenta Elisabete: “Mãe do meu Senhor” e faz elogios à sua fé “Beata tu que creste”
(Lc 1,43).

Maria não consegue segurar a sua felicidade e louva a Deus no Cântico: “A alma minha magnífica o Senhor e o meu espírito exulta em Deus meu salvador…”.

Quando Maria volta à Nazaré esperimenta a dolorosissima experiência da perplexidade de José colocado de frente à uma maternidade que ele não conhecia a causa (Mt 1,18) . Maria sofre e cala. Espera que Deus venha em sua ajuda. Em um sonho, um anjo faz desaparecer as dúvidas de José que apressa a cerimônia da festa de entrada na casa do marido.

Un edital de César Augusto que ordenava o censimento (Lc 2,1) obriga o casal a comparecer à cidade de origem, a Belém na Judéia. A viagem é cansativa. Seja pelas condições não confortáveis, seja pelo estado de Maria, já próxima a maternidade.

Não encontram onde dormir à Belém. Maria dá a luz ao seu filho em uma gruta na zona campestre de Belém (Lc 2,7) e alguns pastores veem visitá-los e ajudá-los.
(Lc 2,16).

Vindo o tempo da purificação, segundo a lei de Moisés, vão ao templo para oferecer o primogénito ao Senhor. No templo encontram Simeão o qual anuncia a Maria que uma espada trapassarà a sua alma.

Chegam do oriente os Reis Magos à procura do recém-nascido, rei dos Judeus. Com essa notícia, Herodes ficou muito inquieto. Quandos os Reis Magos encontraram a criança ofereceram a eles dons e trouxeram à Sagrada Familia um pouco de consolação.
Depois da partida deles, um Anjo do Senhor apareceu a Josè e o incita a fugir com a familia no Egito. Nisso Herodes procura a criança para matá-la. A viagem é di 500 km e grande parte no deserto. No Egito eles vivem a penosa experiência de prófugos.
(Mt 2,14).

Morto Herodes, a Sagrada Famiglia se estabelece a Nazaré (Mt 2,13) levando uma vida pobre, de trabalho e devoção. Reencontramos Jesus no templo à idade de 12 anos, no episódio do seu desaparecimento e descoberta, que já pensa a servire “o seu Pai”.
(Lc 2,41).

Nao são descritos outros episódios. Se presume que passaram mais de 20 anos de trabalho e Jesus deixa sua Mãe, já viúva, e inicia a sua missão de predicador. Reencontramos Maria no casamento de Caná, onde consegue da Jesus, o Seu primeiro milagre, em favor do casal (Gv 2,1). Maria via esporadicamente Jesus (Mt 12, 46), as vezes o seguia nas suas pelegrinações apostólicas.
(Gv 2,12; Lc 8,3).

Maria durante a Paixão de Jesus certamente seguiu a conspiração do Sinédrio, os acontecimentos da quinta-feira Santa, a noite e a condenação à morte de Jesus, a flagelação e a crucificação. Maria è debaixo da cruz do Filho morrente, escuta as suas últimas palavras. Ele dava em custodia Sua mãe ao discípulo favorito e ao discípulo, Sua mãe. Assim teve início a sua maternidade espiritual.

Depois da Ascenção, os Atos (1,14) lembram Maria junto aos discípulos unidos em oração comum esperando o Espírito Santo. Assim Maria é ao centro da vida da Igreja nascente.

A tradição nos diz que Maria seguiu o apóstolo João e que depois se adormentou no Senhor onde logo depois resuscitou e foi recebida no céu.

SOSTIENI INIZIATIVE MISSIONARIE!
Con il tuo 5 per 1000 è semplice ed utilissimo.
Sul tuo 730, modello Unico, scrivi 97610280014

14. Como ter a certeza de que vamos conseguir ser fiéis toda a vida?

Santa Gemma – Mística da redenção