42. Se Deus é bom por que o sofrimento?

Foto di 5933179 da Pixabay

Cada um de nós já se confrontou um dia ou de uma maneira permanente com o sofrimento, na própria vida ou naqueles que nos rodeiam. Nessa altura há uma quebra. Tudo desaba… E surge a questão do por quê, e sobretudo do por que eu? O que eu fiz de mal?… É o esmagamento ou a revolta pela qual nós podemos nos afastar de Deus.

  • Reação totalmente humana e normal. Porque o homem não é feito para o sofrimento. Este, pela ruptura no conforto da nossa vida e pela brecha que ele opera no coração, vem revelar a sede interior da felicidade que habita cada um de nós. No fundo, o sofrimento toca no mistério mais profundo do nosso ser, lembrando-nos o bem para o qual fomos feitos (a felicidade) e do qual estamos privados. Manifesta-se como uma privação.
  • É por isso que, espontaneamente, não o podemos aceitar, porque em si ele é inaceitável. Ele nos mete medo e nós o rejeitamos. Porque fomos feitos para a vida. Ao mesmo tempo, nós somos conduzidos mais longe que o medo: numa timidez, numa espécie de respeito e mais profundamente ainda de compaixão. No entanto, apesar de tudo o que podemos fazer concretamente, nós ficamos desarmados. É que o sofrimento, o meu e o do outro, toca esse mistério que é tão próximo de mim porque é meu, e que ao mesmo tempo me ultrapassa tanto: mistério do homem, mistério do mal e da suas raízes enterradas na história e na alma humana.ÞEntão, com efeito, é a Deus que fazemos a pergunta do porquê, a Deus como Criador e Senhor do mundo. E é grande a tentação de suspeitar que Deus é o autor do mal. “Se Deus fosse bom, não permitiria, não agiria assim…” É no fundo o que se passa depois do pecado original (ver Q 31). Deus não mudou. Fomos nós que mudamos.
  • Mas talvez tenhamos alguma coisa a descobrir perto Daquele que nos salvou do Mal: “Vinde a Mim todos os que estais cansados e oprimidos, e aliviar-vos-ei. Tomai sobre vós o Meu jugo, e aprendei de Mim, que sou manso e humilde de coração, e achareis alívio para as vossas almas” (Mt 12,28-29). É uma das palavras de Jesus Cristo, do qual a Escritura diz: “Ele tomou sobre si as nossas doenças e carregou as nossas dores” (ls 53,4). Ele que foi morto injustamente, para que “nas suas feridas nós encontremos a salvação”. (ls 53,5).
  • O que nos mostra a sua vida e o que é dito d’Ele no Evangelho? Não é um Deus justiceiro que se aproxima de nós, mas um Deus humilde, “servo sofredor” que vem assumir completamente a condição de homem com o seu sofrimento para nos consolar e ajudar a transportá-Lo.

Deus não veio suprimir o sofrimento, não veio para o explicar, mas veio enchê-lo com Sua presença”, diz Paul Claudel.
Enchê-lo completamente.

  • Cristo vai mais longe. Ele oferece o seu sofrimento para nos salvar, e todos os nossos com o seu, abrindo um caminho de vida. E nos convida a aprender d’Ele. É o que faz aquela jovem diabética de 18 anos: “Jesus nos ama e não permite que carreguemos um sofrimento demasiado pesado. Ele confia em nós e faz-nos participar de sua missão que é de levar o mundo inteiro para o Pai. É uma alegria participar numa missão em que o coordenador é Deus!”.

Credits: www.ilestvivant.com
Agreement 25/7/2023
with Emmanuel Community https://emmanuel.info/

SOSTIENI GLI AMICI DI LAZZARO E QUESTO SITO.
Abbiamo davvero bisogno di te!
IBAN (BancoPosta intestato ad Amici di Lazzaro)
IT98P 07601 01000 0000 27608 157
PAYPAL Clicca qui (PayPal)
SATISPAY Clicca qui (Satispay)

Dona ora per chi ha bisogno. Grazie!

SOSTIENI INIZIATIVE MISSIONARIE!
Con il tuo 5 per 1000 è semplice ed utilissimo.
Sul tuo 730, modello Unico, scrivi 97610280014

25. A pílula ou as estações do amor?

40. Por que tenho que viver se não pedi para nascer?