O que é o Sudário?

Giuseppe Enrie, 1931, Public domain, via Wikimedia Commons

O Sudário é um pano retangular de linho medindo aproximadamente 4,41 m x 1,13 m, tecido em padrão espinha de peixe, no qual há uma imagem frontal e traseira de um homem crucificado e torturado que possui marcas e feridas semelhantes às sofridas por Jesus de Nazaré.
É mantido em Turim (Itália) na Catedral.
Ao redor da imagem há duas linhas pretas e vários reparos e marcas causadas por um incêndio em Chambéry na França onde foi guardada em 1532.

O Sudário é comumente associado ao pano que se acredita ter sido usado como mortalha para envolver o corpo de Jesus. Apesar de numerosos estudos realizados até agora, ainda não há consenso unânime sobre a autenticidade do Sudário nem sobre a explicação da formação de a imagem nele presente, que representa fielmente a ressurreição descrita nos Evangelhos.

No Sudário é visível a imagem de um homem cuja condição de morte é identificável, mas também a causa da morte: a crucificação.
A imagem apresenta alguma dificuldade de leitura devido à inversão de tons claro-escuros semelhantes aos do negativo fotográfico, no entanto distinguem-se algumas características como a rigidez cadavérica e a ausência de qualquer sinal de putrefação, existindo muito numerosas sinais de flagelação no corpo e escoriações nos ombros causadas pelo carregamento da cruz.

Vêem-se claramente as marcas dos pregos nas mãos e nos pés, numerosas perfurações no couro cabeludo e uma grande ferida no lado esquerdo (no Sudário, portanto no lado direito do homem enfaixado).

O Sudário descreve todos os eventos que precederam a crucificação:
a flagelação, os golpes no rosto, as marcas da coroa de espinhos na cabeça, o uso de pregos para a crucificação, as feridas nas mãos e nos pés e, por fim, as feridas causadas por uma lança leve infligida por um dos soldados.

Suas pernas não foram quebradas, de acordo com a profecia registrada em Êxodo 12:46 e citada em João 19:36: “Porque estas coisas aconteceram para que se cumprisse a Escritura: ‘Nenhum osso lhe será quebrado’.”

Na folha do Sudário observam-se dois tipos de manchas de sangue, identificadas como sangue humano do grupo AB, distinguidas conforme o momento em que o sangue saiu do corpo, tanto antes como depois da morte (sangue cadavérico).

A Igreja Católica não reconhece o Sudário como milagroso, mas permite seu culto como relíquia ou ícone da Paixão de Jesus.

João Paulo II:
“Como não se trata de fé, a Igreja não tem competência específica para se pronunciar sobre essas questões. Ela confia aos cientistas a tarefa de continuar investigando para encontrar respostas adequadas às questões relacionadas com este Sudário que, segundo a tradição , teria envolvido o corpo de nosso Redentor quando foi descido da cruz.

O que importa sobretudo para o crente é que o Sudário seja um espelho do Evangelho. Com efeito, se se reflecte sobre o linho sagrado, não se pode ignorar a consideração de que a imagem nele presente tem uma relação tão profunda com o que os Evangelhos narram sobre a paixão e morte de Jesus, que todo o homem sensível se sente interiormente tocado e comovido ao contemplá-lo. isto.”.

Saudade é o amor que fica

18 mitos sobre a prostituição